Moradora do Batalhão da Polícia Militar é homenageada
Maria de Fátima da Silveira vive há quase 40 anos no 18º Batalhão (Foto: Divulgação/Polícia Militar)

Uma mulher que mora no Batalhão da Polícia Militar de Jacarepaguá foi homenageada pelo comandante tenente-coronel Roberto Christiano, Maria de Fátima da Silveira, conhecida como Maria do 18, teve a honra de ter o rancho da unidade batizado com seu nome.

Mas como e por que ela vive no batalhão da Polícia Militar, vamos responder essa duvida, vamos um breve resumo da vida de Maria do 18.

Veja como aprender mais sobre:

Um resumo sobre moradora do Batalhão

Maria vive há quase 40 anos no 18º Batalhão. Aos 6 anos, ela perdeu a mãe e foi morar com a avó na Cidade de Deus, Zona Oeste. Quando ela tinha 25 anos, em 1981, a avó morreu vítima de um derrame.

Com isso, criminosos que controlavam o tráfico de drogas da comunidade invadiram a casa delas.

Após ser expulsa da própria casa, ela foi resgatada por policiais do Destacamento de Policiamento Ostensivo, que ficava na favela, e recebeu abrigo na sede do 18° Batalhão, onde mora até hoje, aos 64 anos.

Maria conta que ficou muito feliz com a homenagem e diz que tem uma ótima relação com os policiais. O PM Hélio Junior conta que a amizade não se restringe aos policiais do 18º Batalhão. Vez por outra, ela também aparece em outras unidades da PM.

Homenagem do Batalhão da PM

Comandante do Batalhão de Jacarepaguá, o tenente-coronel Roberto Christiano Dantas diz que Maria é muito querida por todos, por isso, decidiu homenageá-la, dando o nome dela ao rancho.

Maria é a única civil sem grau de parentesco com PMs a ter direito a atendimento médico nas unidades de saúde da corporação.

A conquista veio através do coronel Gilson Pitta, que foi comandante-geral da PM, de janeiro de 2008 a julho de 2009. Na época, o oficial cadastrou Maria como sua dependente para que ela pudesse ter acesso à carteira do Fundo de Saúde da Polícia Militar.