Curta e Compartilhe!

Economia

7 tecnologias que facilitam a busca por vagas de emprego

Publicado

on

Tecnologias, de uma forma geral, foram desenvolvidas para facilitar a nossa vida. Aliás, elas desempenham esse papel com tanta maestria que nem nos imaginamos sem elas, não é verdade?

Acredite se quiser: existem tecnologias que ajudam na busca por emprego!

São várias plataformas nas quais você pode conseguir encontrar a tão sonhada vaga no mercado de trabalho. Algumas são pagas, mas a grande maioria é gratuita para usar. Além disso, você pode usar outras ferramentas para essa finalidade também, como as redes sociais.

Ficou interessado no assunto? Veja com mais detalhes!

1. Grupos de Facebook

Existem grupos para tudo dentro do Facebook: futuras mães, contadores, fanáticos por gatos e, claro, pessoas atrás de empregos.

O pessoal dos grupos costuma ser bastante engajado quanto a temática. De fato, um grupo médio apresenta cerca de 30 publicações por dia. É bastante coisa, não é mesmo? Em um grupo de empregos, pode significar 30 vagas diferentes por dia.

Além disso, as publicações do grupo vão aparecer em seu feed do Facebook. Assim você pode fazer a candidatura pelo celular mesmo, apenas enviando um e-mail. É interessante deixar seu currículo salvo em seu aparelho.

2. Utilize as tecnologias das redes sociais a seu favor

Uma jogada de mestre é aproveitar as tecnologias das redes sociais a seu favor. Tudo bem que ensinamos a fazer isso no tópico anterior, mas aqui vamos nos aprofundar na técnica.

Os anúncios que vemos no feed aparecem de acordo com nossa atividade. Assim, se você procurar muito sobre cervejas artesanais, vários anúncios de cervejas artesanais vão aparecer para você.

Com esse princípio em mente, pesquisar bastante sobre empregos em sua área de atuação pode, eventualmente, atrair anúncios de vagas de emprego. Porém, isso depende de sua localização e área de atuação.

Os anúncios pagos com ofertas de empregos estão entrando na moda!

3. Aproveite o Google para encontrar vagas de emprego

O Google é uma máquina que vasculha a internet atrás de uma resposta. Dessa forma, usá-lo para conseguir um emprego é bastante simples, mas requer alguns conceitos básicos.

Digitar apenas “vagas de emprego para contador” fará com que várias oportunidades surjam em sua tela. No entanto, tenha em mente que virão vagas sem nenhum filtro, ou seja, são vagas ao redor do Brasil — e até fora.

Como contornamos isso? Usando um “filtro” manual na pesquisa; colocar o nome da região desejada já basta. Com certeza “vagas de emprego para contador na cidade X” vai entregar o que você procura.

4. Veja a seleção de vagas do Linkedin

O Linkedin tem 3 pontos positivos: é uma rede social muito ativa, conta com toneladas de empresas atuantes e tem algoritmos inteligentes para encontrar vagas de empregos. O que mais poderíamos querer?

Aproveite seu espaço no Linkedin para descrever quem você é no âmbito profissional. As tecnologias da própria plataforma vão indicar as vagas para seu perfil. Você ainda receberá uma nota de “match” para as vagas, indo de 0 até 10.

Além disso, procure usar palavras-chave relacionadas à sua atuação. Para encontrar essas palavras, veja o que é cobrado em vagas de empregos do seu ramo. Elas podem colocar seu perfil na frente de vários concorrentes.

5. A tecnologia dos anúncios pagos pode funcionar

O anúncio pago funciona da seguinte maneira: você cria uma publicação na rede social e paga para que certos usuários vejam. Dessa forma, se você estruturar direitinho sua estratégia, seu currículo pode aparecer para recrutadores interessados em um profissional como você.

Uma dica interessante é usar um título como “contrate um profissional da área tal hoje mesmo”, com um link que envia o usuário para um “currículo virtual”. Uma página com suas experiências, cursos e competências é a melhor escolha.

6. Vasculhe plataformas de vagas de emprego

O Brasil é um país cheio de oportunidades; vagas de trabalho aqui não faltam. Porém, elas ficam escondidas tanto na internet quanto no dia a dia. A razão disso é que conversar sobre vagas de emprego não é algo natural.

No entanto, uma das formas de contornar esse problema já foi desenvolvida: as famosas plataformas de vagas de emprego são realidade. A maioria delas são gratuitas para quem procura por vagas. Não custa — literalmente — nada dar uma olhadinha por lá.

Tome cuidado com a data de postagem da vaga. Algumas delas estão lá há muitos meses e já podem não valer mais.

7. Não se esqueça do “Trabalhe conosco”

Por fim, devemos comentar sobre o “Trabalhe conosco”. Você acha que conseguir um emprego é difícil? Então não sabe da dificuldade em encontrar o candidato perfeito para a vaga.

Enviar o currículo diretamente para o RH da empresa é uma forma de mostrar seu interesse em trabalhar lá. Além disso, você pode ter sorte e enviar um currículo antes mesmo de uma seleção acontecer. Isso com certeza aumenta suas chances de sucesso.

Quer mais dicas como essas? Aproveite o conteúdo do site Portal Emprega!

Comentar

Comente a notícia

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Economia

Nova Lei do Gás deverá reduzir o preço dos produtos e dar competitividade

O deputado Alceu Moreira (MDB/RS) afirmou nesta terça-feira (9), em entrevista, que o novo Marco Legal do Gás Natural será importante para reduzir o preço dos produtos e dar competitividade à indústria nacional.

Publicado

on

Nova Lei do Gás deverá dar competitividade à indústria brasileira

Mentes Blindadas no Google News
Mentes Blindadas no Facebook News

O deputado Alceu Moreira (MDB/RS) afirmou nesta terça-feira (9), em entrevista, que o novo Marco Legal do Gás Natural será importante para reduzir o preço dos produtos e dar competitividade à indústria nacional.

Na Câmara, onde a matéria tramita, há expectativa de votação da Nova Lei do Gás em Plenário nesta quinta-feira (11). Texto original aprovado na Câmara em setembro, sem as modificações feitas pelo Senado, atendem melhor às necessidades do setor produtivo
 
Segundo o parlamentar, a matriz energética brasileira atual traz custos muito caros, os quais seriam diminuídos com a expansão do mercado de gás natural. Na configuração atual, ele explica, o preço dos produtos é impactado pela energia mais cara no processo de fabricação, o que diminui a competitividade da indústria nacional no mercado externo.
 
“É um custo [da energia utilizada] que está no produto, que será reduzido e vai mudar nossa capacidade competitiva. O custo dessa energia é muito mais barato do que o custo contínuo da energia que nós temos hoje. A indústria nacional precisa de muitos movimentos como esse para que ela possa ter competitividade no mercado internacional, mas esse é, com certeza, um passo determinante”, avalia.

Veja como aprender mais sobre:

Votação da proposta

O texto original da proposta foi aprovado na Câmara e, posteriormente, no Senado. No entanto, com a adição de nove emendas pelos senadores, a proposta voltou para apreciação dos deputados, que precisam decidir se mantém ou não a nova redação. A tendência é que a Casa rejeite as alterações do Senado. O próprio relator do texto, deputado Laercio Oliveira (PP/SE), deu parecer favorável para rejeição de todas as emendas e trabalha para obter maioria na votação marcada para esta quinta.
 
Um dos pontos de maior tensão diz respeito aos critérios de classificação de gasodutos. Pela proposta da Câmara, a ANP seria a responsável pela classificação dos dutos de transporte. No entanto, o texto aprovado pelos senadores retirou essa competência, transferindo-a para os estados. 

“Há, por exemplo, gasodutos que têm características de transporte, mas eles estão dentro de um estado e, de alguma forma, se isso for colocado na mão dos entes estaduais, há o risco de criação de riscos de mercados regionais”, avalia Bernardo Sicsú, diretor de eletricidade da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel). 

Defensores da proposta original, o que inclui o governo federal e entidades que representam os consumidores de gás, argumentam, também, que o PL aprovado no Senado dificulta o acesso de terceiros às infraestruturas essenciais da cadeia do gás, como gasodutos de escoamento, terminais e unidades de tratamento.

O texto original previa que os ofertantes de gás teriam acesso facilitado a essas estruturas, o que aumentaria a competitividade no mercado.

Marco Legal do Gás

O PL, tratado como novo marco regulatório do gás natural, tenta facilitar a construção e ampliação de gasodutos pela iniciativa privada. A ideia é que as empresas que desejem explorar o serviço precisem apenas da autorização da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Atualmente, a legislação exige a concessão (em que a empresa precisa vencer um leilão promovido pelo governo).

O texto também viabiliza a quebra do monopólio da Petrobras no setor. A estatal é responsável por 100% da importação e 80% da produção do item no País. Com essas e outras medidas, especialistas esperam que novos agentes passem a atuar no setor, aumentando a competitividade e reduzindo o preço final do gás para as empresas e o consumidor final.


Mentes Blindadas no Google News
Mentes Blindadas no Facebook News
Continuar lendo

TECNOLOGIA

CONHECIMENTO

NOTÍCIAS POPULARES